Blog Quero me Formar — Organização & Finanças: Entenda Quais São as Principais Diferenças entre Renda Fixa e Renda Variável

24 de outubro de 2020

Entenda Quais São as Principais Diferenças entre Renda Fixa e Renda Variável

Para quem está começando a investir, é fundamental conhecer as opções e categorias de investimentos disponíveis e o que os difere uns dos outros. 
Você conhece quais são as diferenças entre renda fixa e renda variável? Saiba mais nesse artigo!

Calculadora convencional branca em uma superfície cinza com o número zero no visor

Quando se fala em investimentos, temos duas opções para alocar o capital: as aplicações de renda fixa e variável.

Essas aplicações têm características, riscos e retornos diferentes e, por isso, podem atender a diferentes perfis de investidor e a diferentes objetivos.

Sendo assim, saber mais sobre esses investimentos e suas diferenças fundamentais é imprescindível para traçar uma estratégia de investimentos adequada.

Confira nesse artigo as principais diferenças renda o investimento em renda fixa e variável.


Entenda Quais São as Principais Diferenças entre Renda Fixa e Renda Variável


Antes de compreender as principais diferenças entre esses dois tipos de investimento, entenderemos primeiro as principais características de cada uma dessas aplicações.


A Renda Fixa


Os investimentos de renda fixa são aplicações cuja rentabilidade pode ser considerada previsível, pois é conhecida no momento da aplicação, o que faz serem considerados mais seguros e conservadores.

Mão colocando uma moeda em um cofre em forma de porquinho rosa, remetendo aos investimentos de renda fixa

Esses títulos normalmente são contratados sob condições determinadas de rentabilidade e vencimento.

Os investimentos podem ser realizados tanto em títulos públicos (do governo) como privados (governos e empresas).

E, quando você os adquire, está na verdade emprestando o seu dinheiro ao emissor do papel (banco, empresa ou governo) que, em troca, lhe paga uma remuneração com base em determinado prazo, na forma de juros e/ou correção monetária.

Quanto à rentabilidade, os investimentos de renda fixa podem ainda ser do tipo pré-fixada ou pós-fixada

Como o nome mesmo sugere, no primeiro, os rendimentos estarão de acordo com uma taxa já conhecida no momento da aplicação, sem variações.

Enquanto no segundo, normalmente, há apenas um indexador definido (por exemplo, taxa Selic) no momento da aplicação, cujo percentual será conhecido somente no resgate (ao término do vencimento).

Nesse caso, a rentabilidade do investimento acompanhará as flutuações do indexador ao longo do tempo.

Os indexadores mais comuns (seja para uma rentabilidade pré ou pós-fixada) são a taxa Selic, taxa DI ou, como comumente é chamada, CDI), além de atualizações monetárias pela inflação (IPCA).

Por fim, há ainda investimentos com rentabilidade híbrida, que combinam retornos fixos e variáveis.

Um ponto interessante dos investimentos de renda fixa e que os torna mais seguros são as garantias.

Muitos dos investimentos de renda fixa têm a garantia do FGC, o fundo garantidor de créditos do  Brasil.

Se você ainda não entende muito bem como funciona o FGC, confira o artigo do blog sobre o Fundo Garantidor

Com essa garantia, ao aplicar em poupança, CBDs, LCIs, LCAs e RDBs, por exemplo, o investidor fica resguardado, até certo limite (confira no artigo), em caso de "quebra" da instituição onde ele investiu.

Mesmo o Tesouro Direto, que não tem a garantia do FGC, é assegurado pelo Tesouro Nacional.

Cabe ressaltar o conceito de que, em termos gerais, a rentabilidade é um "prêmio" pelo risco.

Nesse sentido, investimentos mais conservadores (seguros) tem uma rentabilidade menor, pois oferecem um menor risco ao investidor.

Já no tocante à liquidez (possibilidade de resgate), normalmente há variação entre cada tipo de investimento.

Isso porque alguns investimentos podem oferecer liquidez  diária, apenas no vencimento ou, ainda, pode existir algum prazo de carência, exigindo que você mantenha o investimento por um prazo mínimo antes de solicitar o resgate.

Assim, a depender da sua aplicação, pode ser que você tenha facilidade para transformar o seu investimento ou dinheiro sem custos ou prejuízos, ou pode ser que você tenha alguns "obstáculos" para isso.


Investimentos privados mais populares em renda fixa

  • Certificado de Depósito Bancário (CBD): título de dívida emitida pelos bancos para captar recursos e financiar suas atividades.
  • Debêntures: são emitidas por empresas (sociedades anônimas) para captar recursos.
  • Letra de Crédito Imobiliário (LCI): emitido pelas instituições financeiras para captar recursos para o financiamento do setor imobiliário.
  • Letra de Crédito do Agronegócio (LCA): emitido pelas instituições financeiras para captar recursos para o financiamento do setor agrícola. 


Títulos públicos mais populares em renda fixa 

  • Tesouro Direto: em uma parceria com a B3, esse título emitido pelo governo busca captar recursos para financiar suas atividades. 
  • Tesouro Selic: título emitido pelo governo, que busca captar recursos para financiar suas atividades. 

Existem ainda outros investimentos de renda fixa disponíveis para você, logo, você pode pesquisar e se aprofundar mais caso você se interesse por esse tipo de aplicação.


A Renda Variável


Os investimentos em renda variável, como o próprio nome sugere, não tem uma rentabilidade conhecida ou garantida e seus retornos variam segundo as expectativas do mercado, portanto, não podem ser previstas.

Um jornal exibindo um gráfico com uma calculadora preta sobre ele, remetendo ao investimento de renda variável

Em virtude da variabilidade do retorno e da influência que o ambiente exerce no seu desempenho, os investimentos em renda variável são tidos como os de maior risco.

Mas calma! Esse risco não é algo absurdo e que vai tirar o seu sono enquanto deixar o seu dinheiro investido.

Os investimentos em renda variável apenas são menos seguros que os demais, contudo, as chances de você perder todo o seu dinheiro são muito pequenas, e ainda menores quando se faz boas escolhas.

+ Saiba mais sobre os riscos nos investimentos e como se proteger deles. Clique aqui e acesse!

Como bem destaca Ramiro Gomes Ferreira do Clube de Valor: "Só porque não conhecemos ou controlamos todos os aspectos de investimentos de renda variável, isso não significa que seja perigoso investir neles".

Dessa forma, o investimento em renda variável tem os seus riscos, assim como qualquer coisa, mas esses riscos podem ser administrados com conhecimento e boas escolhas.

Em virtude do maior risco, a renda variável também oferece maior rentabilidade.


Investimentos mais populares na renda variável

  • Ações: representam uma fração do capital social de uma empresa.
  • Fundos Imobiliários (FIIs): reúnem investidores que captam recursos e fazem a gestão desse fundo para explorar locação de imóveis já prontos, arrendamentos e outras operações.
  • Exchange Traded Fund (ETFs): são comercializados como ações mas, na verdade, são fundos de índices que tendem a replicar índices (carteiras teóricas), como o Índice Bovespa.
  • Fundos de Ações: contemplam carteiras de investimentos em renda variável que devem contemplar, no mínimo, 67% do patrimônio em ações.
  • Fundo Multimercado: é um fundo de investimentos que contempla em seu patrimônio diversos tipos de investimentos, de renda fixa e variável. 
  • Commodities: representam matérias primas que possibilitam estocagem sem perda da qualidade e seu preço é determinado pela oferta e demanda internacional, como petróleo, soja, ouro, café e outros.

Existem ainda vários outros investimentos de renda variável (Fundos Cambiais, Clubes de Investimentos, Opções, Mercado FuturoCâmbio, Derivativos e outros) que você pode pesquisar. 

Dessa forma, ao se adquirir títulos de renda variável, não temos a mesma perspectiva de estar "emprestando dinheiro" para nenhuma instituição, como na renda fixa.

Assim, na maioria dessas aplicações, não há qualquer obrigação de pagamento de retornos pela contraparte.

As ações, por exemplo, que são investimentos populares e acessíveis de renda variável, oferecem principalmente 3 possibilidades de ganho: com a valorização do preço da ação, com o recebimento de dividendos ou de juros sobre o capital próprio.

Mesmo com 3 possibilidades, nenhuma delas são garantidas.

Por conta dessas características é que a renda variável costuma ser mais rentável que a renda fixa, e também considerada mais arriscada.

Visto que esses títulos apresentam maior risco, o "prêmio" (retorno) também será maior.

Com relação à liquidez, isso também varia conforme a aplicação, visto que cada investimento tem suas regras e prazos de carência também podem existir, especialmente em fundos.

Entretanto, cabe ressaltar que alguns investimentos, como as ações, oferecem uma maior liberdade com relação a se desfazer do investimento e o dinheiro estará disponível para saque apenas 2 dias úteis após a venda do ativo.

Antes desse período, apesar de não poder ser sacado, o recurso pode ser livremente aplicado em outros títulos dentro da plataforma de investimentos.


Enfim, quais são as principais diferenças entre renda fixa e variável?


Agora que já conhecemos melhor as aplicações de renda fixa e variável, podemos compreender melhor quais as diferenças entre essas aplicações.

De uma forma breve (visto que já aprofundamos um pouco sobre cada investimento, as principais diferentes entre renda fixa e variável são:

  • Rentabilidade: a rentabilidade da renda fixa é mais previsível e é conhecida no momento da aplicação, enquanto na renda variável, os retornos não são conhecidos ou garantidos, contudo, podem ser potencialmente maiores;
  • Risco: o risco da renda fixa é extremamente baixo, além de que algumas aplicações contam com com garantias (seja do Fundo Garantidor ou do Governo Federal), enquanto a renda variável não oferece garantias e tem um risco potencialmente maior;
  • Liquidez: não há generalizações nesse caso, visto que cada investimento tem suas regras de liquidez e é possível encontrar aplicações com liquidez diária, por exemplo, tanto em renda fixa quanto em renda variável.

Um tópico que vale destacar, na minha opinião, são os custos dos investimentos.

Pode-se considerar que ambos os investimentos são acessíveis, visto que pode-se investir no Tesouro Direto com quantias a partir de R$30, por exemplo, contudo, os investimentos mais acessíveis da renda fixa tem seus retornos taxados pelo Imposto de Renda.

Apesar de não ser muito significativo, o retorno da renda fixa já não é tão alta, logo, o bom mesmo é que não tivessem impostos sobre o rendimento que já é pequeno (especialmente quando se tem pouco capital).

Ao investir em ações, que é o mais popular da renda variável, é possível investir com até menos de R$30 e obter isenção do Imposto de Renda ao vender menos de R$20.000 no mês, o que eu considerado muito acessível e justo para o pequeno investidor.

Destaca-se também que, na renda fixa, o investidor conhece quando e quanto vai ter de retorno pela aplicação, enquanto na renda variável o investidor não tem nenhuma certeza sobre o seu retorno e, em alguns casos, pode manter o investimento pelo tempo que quiser.

Ressalta-se que, apesar de ser mais arriscado, o mercado de renda variável não é um mercado desregulado.

Seu risco é maior apenas pelo tipo de investimento, mas vários órgãos de normatização e fiscalização estão envolvidos no funcionamento da renda variável.

Além disso, é possível (com bastante estudo) fazer boas escolhas na renda variável para mitigar os riscos e obter retornos muito superiores à renda fixa.

Apensar não podemos esquecer de o que autoconhecimento e conhecer o seu perfil de investidor é muito importante.

Visto que a renda fixa tem um perfil mais conservador, enquanto a renda variável é normalmente recomendada aos investidores dos perfis moderado a agressivo.

Vale comentar também que a renda fixa também varia pelo efeito da marcação a mercado (entenda melhor no nosso artigo sobre o Tesouro Direto), logo, ao aplicar em renda fixa, você também pode se deparar com prejuízos (virtuais) no resultado da sua aplicação.

E, caso você venda o seu título nessa situação, estará realizando um prejuízo.

Essa é uma situação muito parecida com o que acontece quando temos ações na carteira de investimentos, e é perfeitamente normal, desde que você tenha tolerância ao risco e tenha feito escolhas fundamentadas.

Por esse motivo, quando se fala em objetivos, a renda variável é sempre recomendada pelos especialistas como investimentos para objetivos de longo prazo.

Isso porque, dada as oscilações e a imprevisibilidade do investimento, você pode não obter o desempenho desejado no curto prazo, quando for resgatar.

Dessa maneira, os investimentos de renda fixa normalmente são recomendados para objetivos de curto e médio prazos, de forma que se concilie o prazo do seu objetivo com o prazo do vencimento da aplicação.

Concluindo, é imprescindível ao investidor iniciante conhecer como se comportam essas aplicações e no que elas se diferem, tanto para escolher investimentos adequados aos seus objetivos quanto para obter a melhor rentabilidade possível, de acordo com o seu perfil.


+ Gostou das dicas? Aproveite para salvar o infográfico no Pinterest!

Infográfico para Pinterest Entenda Quais São as Principais Diferenças entre Renda Fixa e Renda Variável



Considerações finais

Na hora de escolher como você irá aplicar o seu capital, o ideal é que várias coisas sejam levadas em consideração, mas principalmente os seus objetivos e as características da aplicação.

Dessa forma, conhecer as diferenças entre renda fixa e variável, as duas categorias de investimento disponíveis no mercado, é fundamental para fazer boas escolhas de investimento.

As principais diferenças entre o investimento em renda fixa e variável podem ser resumidas na imagem abaixo:

Imagem com uma tabela de síntese das principais diferenças entre renda fixa e variável

Como vimos, a rentabilidade da renda fixa está normalmente associada a um indexador e tem relação direta com taxa de juros da economia.

É por isso que em um cenário com baixa taxa de juros, como atualmente, se fala até em em ações que pagarão dividendos maiores que a Selic.

Contudo, como sempre falo nos artigos sobre investimentos, saber a sua tolerância ao risco e o seu perfil de investidor é imprescindível, visto que não adianta considerar apenas quais aplicações têm retornos mais altos se você não puder suportar as oscilações.

Assim, conhecimento é sempre importante, sobre os seus investimentos e sobre você mesma.


Agora me conta nos comentários se você já conhecia essas diferenças e se o artigo foi útil para você!


+ Siga o blog nas redes sociais:
Pinterest/queromeformar


+ PINE A IMAGEM PARA NÃO ESQUECER!

Imagem de Divulgação para Pinterest Entenda Quais São as Principais Diferenças entre Renda Fixa e Renda Variável

Nenhum comentário:

Postar um comentário

- Lembre-se de que todo e qualquer comentário é de inteira responsabilidade do autor.
- Não pratique spam!
- Deixe a opção "Notifique-me" marcada para que você receba uma notificação quando seu comentário for respondido.